quarta-feira, 8 de junho de 2011

O que te faz feliz?


Dedicado àquele que me disse gostar de cachoeiras, com quem tenho dividido pequenos momentos felizes e pra quem acha que todo dia é dia de ser feliz.

sábado, 2 de abril de 2011

Não! Eu não tenho namorado, não estou procurando e estou feliz. Parece que estar solteira e feliz é uma ofensa a todas aquelas pessoas que procuram desespaeradamente sua felicidade no outro e falham a cada dia! Faço questão de ofendê-las!

Délicatesse

A vida possui algumas delicadezas das quais não abro mão.

Uma vez por semana chego 1 hora mais cedo no trabalho. O escritório. Com a lentidão de quem acordou a pouco tempo, abro as cortinas. É cedo, não é necessário ligar o ar condicionado. Paro em frente a janela e fico observando a paisagem de um bairro rico. Com dinheiro as coisas ficam tão mais bonitas...

Pego um copo de água e sento em frente ao computador. Verifico o facebook e vejo que uma amiga postou “Dream a little dream of me” na voz de Ella Fitzgeral e Louis Armstrong. Quem diria que um lugar tão inóspito quanto um escritório tradicional poderia abrigar tanta delicadeza. Talvez pelo fato de que a delicadeza estava em mim e no dia e no calor e nas folhas e e na música e no moço bonito que corria lá embaixo.

Balançando a cabeça, cantarolando e verificando as atividades do dia. Quem me visse diria que o meu trabalho é o melhor do mundo. Não é. Mas, sentir essas miudezas é muito prazeroso e elas estão em todo lugar. A música acabou e me concentrei numa atividade que havia começado ontem. O tempo passou rápido e um colega chegou, recepcionado por um belo “bom dia”que foi recíproco. Aquele dia percorreu leve.

 


Hoje descobri que tiraram os fones de ouvido de todas as máquinas.
Daí, ele disse: “E agora?”
Eu respondi sorrindo firme: “Agora eu canto!”, e emendei: “Stars shining bright above you...”.
Ele acrescentou: “Da biru bi du...da ra da da ...You gotta keep dreamin...”

Trabalho em Equipe

Quatro horas da tarde em um escritório de janelas fechadas e com ar condicionado. Cada um em seu cubículo. Ele relaxa na cadeira de rodinhas, ela olha rápido e volta a digitar. Ele(2) nem se distrai.


Ele: Moro numa país tropical...

(pausa)

Ela: abençoado por Deus...

Ele (2): "e bonito por naturaza"

Os três juntos fazendo movimentos aleatórios com o corpo e Ele(2) improvisando um pandeiro com as mãos: "mas que beleza! Mas que beleza!"

Ele: "em fevereiro (em fevereiro)"

Ela: "tem carnaval!"

Ele (2): "tem carnaval..."

Os três juntos fazendo movimentos aleatórios: "tenho uma nega chamada tereza, mas que beleza, mas que beleza...."

Ele: Isso que é trabalho em equipe!

Risadas!

(Os 7 anões da branca de neve não fariam melhor...)

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Sonhos de uma noite de verão

Ao telefone.

Ela: Não quero falar disso, isso me deixa triste...
Ele: Tudo bem, desculpa... Falemos de nós, então! 

Ela sorri.

Ele: Você está linda naquela foto, tão meiga...
Ela: Que isso...Nem é pra tanto. Mas, obrigada.
Ele: Esta noite, então...estava uma princesa! A lua branca no céu, eu e você...PERA AÍ!!!
Ela: O que foi?
Ele: Vi um bicho!

Ela se assusta

Ela: Que bicho?
Ele: Ave Maria! Não sei o que era, parecia uma barata. Não é medo, sabe? Mas é nojo. Quando mata, sai aquele negócio branco, aquela massa nojenta. Imagina você dormindo e esse bicho subindo em você. E se você esmaga sem querer? Credo, vou dormir na sala!
Então, onde estávamos?

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Em busca da felicidade

Lendo o blog de uma amiga me deparei com um comentário que continha a seguinte expressão: "perseguir a felicidade". Eu, como sempre, concretizei aquilo que li. É...eu sou assim: eu olho as palavras e não apenas as ouço.

Daí imaginei a felicidade correndo, fugindo de nós. E nós, como vândalos, marginais, loucos desvairados, perseguindo a pobre coitada. É por isso que ela não vem até nós. Deve ser por isso... Coitada da Dona Felicidade. Quem não fugiria deste bando de loucos querendo um milhão de coisas diferentes imaginando que assim serão felizes?

Lembrei daquele filme The Pursuit of Happyness no qual o personagem the Will Smith faz de tudo para alcançar seu sonho. E nem vou entrar aqui em todo o debate envolvendo the american dream. Provavelmente esta verbo "perseguir" pode ter sido extraído do verbo "persuit" em inglês que também pode ser traduzido por "busca", "perseguição", "procura", "caça". Mas, deixemos de lado as teorias encheção de linguiças linguísticas

Talvez deveríamos deixar a Dona Felicidade em paz e assim, quem sabe, ela tenha mais prazer em nos acompanhar. Talvez, se não exigíssimos tanto dela, ela poderia, humilde e calmamente, nos dar aquilo que ela tem a nos oferecer: pequenas delicadezas da vida que, no geral, nos dão gozo imenso.

domingo, 30 de janeiro de 2011

To all my friends: Thank you!



Partners come to us in various ways, bound together for many different reasons. But for any partnership to work, you must not only accept this person into your life, but accept her for who she is. Sometimes partners find us, and as much as we try to push them away, they work their way into our lives regardless, until we finally realize how much we need them.

Parceiros chegam até nós de diversas maneiras, ligados por diversos motivos. Mas para qualquer parceria funcionar, você deve não apenas aceitar essa pessoa em sua vida, mas aceitá-la como ela é. Às vezes, os parceiros nos encontraram, e por mais que tentamos afastá-los, eles, indiferentemente, entram em nossas vidas, até que finalmente percebemos o quanto precisamos deles.



— Dexter (Season 5, Episode 7)

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

"Nem toda feiticeira é corcunda"

Pagu
Composição: R. Lee E Z. Duncan






Mexo, remexo na inquisição
Só quem já morreu na fogueira
Sabe o que é ser carvão
Hi! Hi!...

Eu sou pau prá toda obra
Deus dá asas à minha cobra
Hum! Hum!

Minha força não é bruta
Não sou freira
Nem sou puta...

Porque nem!
Toda feiticeira é corcunda
Nem!
Toda brasileira é bunda
Meu peito não é de silicone
Sou mais macho
Que muito homem

Nem!
Toda feiticeira é corcunda
Nem!
Toda brasileira é bunda
eu peito não é de silicone
Eu sou mais macho
Que muito homem...

Ratatá! Ratatá! Ratatá!
Parapá! Parapá!
Hum! Hum!...

Sou rainha do meu tanque
Sou Pagu indignada no palanque
Hi! Hi!

Fama de porra louca
Tudo bem!
Minha mãe
É Maria Ninguém
Hi! Hi! Eh! Eh!...

Não sou atriz
Modelo, dançarina
Meu buraco é mais em cima

Porque nem!
Toda feiticeira é corcunda
Nem!
Toda brasileira é bunda
Meu peito não é de silicone
Eu sou mais macho
Que muito homem...

Nem!
Toda feiticeira é corcunda
Nem!
Toda brasileira é bunda
Meu peito não é de silicone
Sou mais macho
Que muito homem...

Ratatá! Ratatatá
Hiii! Ratatá
Parapá! Parapá!...

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Sobre a Solidão

"But I'm grown / And in your way / My blue shade / My tears dry on their own" - Amy Wine House

Não é que eu acho bom ser sozinha. Nem desconsidero a ajuda que os amigos e outros pessoas podem me dar. Claro que é bom ter um ombro amigo. E é ótimo ouvir palavras de "tudo vai dar certo", "vai ficar tudo bem", "eu estou com você". É um verdadeiro alívio quando alguém voluntariamente divide o fardo com você. Não subestimo a solidariedade.

Mas o fato é que, no fundo, somos sozinhos sim. Sozinhos nos pensamentos e sentimentos. Só podemos compartilhar quando nos iludimos com atos de expressão. Nos unimos num discurso, numa ideologia ou em uma música tocada no mp3 do carro e todos vão cantando juntos. 

Porém, o que passa pela minha cabeça ao sorrir com a mesma música não é o memso que passa pela sua cabeça. Aquilo que chamo de dor não é exatamenteo o que você chama de dor. E o que senti quando ele morreu não foi exatamente o que você sentiu. Pra mim ele era uma pessoa e pra ti, era outra.

Há tantos tantos sentimentos quanto há perspectivas.

Reitero: Não subestimo a solidariedade! E sou eternamente grata aos que me ajudam/ajudarão. Todavia, o corte e a alegria são meus e é minha responsabilidade de curá-lo e de vivê-la.  Já que ninguém pode fazer isso por mim é que digo que sou sozinha.


sábado, 8 de janeiro de 2011

Anger

"Eu sou Pata de Jaguar, filho de Pedra Céu. O meu pai caçou nesta selva antes de mim. Eu sou Pata de Jaguar. Eu sou caçador. Esta é a minha floresta e nela caçarão os meu filhos, com os seus filhos, depois de eu partir. Venham! Venham!”. - Apocalypto

Quando passamos por situações conflituosas geramos em nós mesmos uma energia ruim, que pode ser chamada de dor, medo, tristeza, desespero, raiva e assim por diante. Todas elas já senti. Todos nós já sentimos e continuaremos sentindo. É inevitável. A minha preferida é a raiva. Já explico a razão.

Cada uma delas, depois de instaladas em nós, causa uma reação. No meu caso, é o seguinte: quando sinto dor, me recolho como um animal ferido; com medo, fujo; no momento tenso, congelo; quando triste, fico inútil como um saco de batatas; no desespero, só faço bobagem; quando com raiva, me fortaleço e ajo.

Sim, a raiva me fortalece. É ela que me dá o impulso de continuar superando os obstáculos que outros ou a vida coloca em minha frente. Então, quando aprendi a transformar sentimentos negativos em impulso para alcançar um objetivo, passei a viver melhor, fazendo mais e me lamentando menos.

sábado, 1 de janeiro de 2011

A Lista - Oswaldo Montenegro

Faça uma lista de grandes amigos

Quem você mais via há dez anos atrás

Quantos você ainda vê todo dia

Quantos você já não encontra mais...

Faça uma lista dos s  o  n  h  o  s   que tinha

Quantos você desistiu de sonhar!

Quantos amores jurados pra sempre

Quantos você conseguiu preservar...

Onde você ainda se reconhece

Na foto passada ou no espelho de agora?

Hoje é do jeito que achou que seria

Quantos amigos você jogou fora?

Quantos mistérios que você sondava

Quantos você conseguiu entender?

Quantos segredos que você guardava

Hoje são bobos ninguém quer saber?

Quantas mentiras você condenava?


Quantas você teve que cometer?

Quantos defeitos sanados com o tempo

Eram o melhor que havia em v o c ê?

Quantas canções que você não cantava

Hoje assobia pra sobreviver?

Quantas pessoas que você amava

Hoje acredita que amam você?